A paróquia latina de Jericó: exemplo de fraternidade 

Desde o primeiro dia do Ramadan, podes encontrá-lo, como em cada ano, fora da igreja latina de Jericó, com seu hábito de Frade franciscano: é Fr. Mário Hadchiti, pároco da igreja latina do Bom Pastor de Jericó e Diretor da escola Terra Santa. Pouco antes que soe a hora do iftar, o alimento com o qual os muçulmanos quebram o jejum quotidiano no mês sagrado do Ramadan, Fr. Mário distribui água e tâmaras aos que passam pelo Frade. Para os que retornam para casa com pressa, ou atrasados, receber um copo de água e uma tâmara é um modo para romper as longas e cansativas horas passadas sem comer e beber. “Creio que como Jesus se encarnou, também nós devemos encarnar o amor para com o próximo - explica Fr. Mário -. Com esse gesto queremos afirmar que, como cristãos, somos pacíficos e amamos todas as pessoas, sem distinções”. Segundo o Frade franciscano da Custódia da Terra Santa, seu gesto possibilita “quebrar o gelo” e aproximar-se dos muçulmanos, neste tempo de oração e jejum. 

“Também eu conheço o sacrifício e os benefícios do jejum - continua o Frade -. Quem reza e jejua, o faz para Deus e eu rendo graças a Deus a todo aquele que dedica tempo a Deus. A Encíclica papal “Fratelli tutti” deu-me coragem e queremos encarnar a mensagem do Santo Padre. Temos um só Deus, vivemos em uma terra somente e é uma “casa grande”, bastante para todos. Queremos aplicar na vida diária o que disse o Papa Francisco”.

O auspício, que é sinal de proximidade dos cristãos para com os muçulmanos, no tempo do Ramadan, pode ser imitado também em outros lugares: “Aqui em Jericó, cada ano, repetimos esse gesto e queremos que também outros possam aprender de nós, de Jericó, que é a cidade mais antiga do mundo. Em muitos outros países nos imitaram, porque o amor contagia. Esse é um gesto franciscano”. 

Para Fr. Mário a coexistência pacífica com os muçulmanos é realidade quotidiana desde que se encontra em Jericó. “A escola Terra Santa da qual sou Diretor é a maior em Jericó - explica o Frade -. De 900 alunos apenas 39 são cristãos, mas não fazemos distinções. A escola é lugar de formação e educamos segundo os ensinamentos de Jesus e segundo as indicações estabelecidas para o território em que nos encontramos. Somos todos filhos de Deus e nossa missão franciscana está a serviço das pessoas”. 

Também em Jericó a pandemia Coronavírus golpeou duramente, e desde o último agosto fomos forçados a alternar aulas online e aulas presenciais a pequenos grupos. “Na escola temos órfãos, famílias desempregadas, por isso, sem salário e, também, os que eram empregados no setor turístico e de souvenir estão tendo dificuldades. Apesar de recebermos apenas poucos estipêndios escolásticos, estamos ainda em pé. De modo diplomático, fraterno e humano, vamos avante!” Somente há poucos dias, a escola abriu as portas com aulas presenciais para crianças até os onze anos, da classe infantil até o sexto grau, enquanto as outras turmas continuarão com as aulas online.

Fr. Mário continua, todo dia, seu incansável trabalho, ao lado dos necessitados de Jericó, também com a distribuição de remédios, alimentos, sustento às famílias em dificuldades, sem esquecer a parte espiritual. A paróquia latina do Bom Pastor, na verdade, è ponto de referência para os cristãos locais e o pároco vai pessoalmente distribuir a Sagrada Comunhão aos doentes e sofredores. Assim, quando as pessoas o encontram pela estrada, o saúdam com afeto e reconhecimento. 

Por sua disponibilidade e exemplo de fraternidade, são ótimas também as relações com o Sheikh Harb, Imam da Mesquita de Jericó. Fora da igreja do Bom Pastor, há uma foto que retrata o Imam ao lado de Fr. Mário, com a escrita: “Fr. Mário, pároco da igreja latina de Jericó e Diretor da Escola Terra Santa vos deseja um Ramadan pleno de bênçãos”. 

Beatrice Guarrera