Jerusalém, Missa em homenagem à Espanha

Cada ano, a Custódia da Terra Santa homenageia a Espanha, por ocasião da Festa Nacional, que acontece no dia 12 de outubro. É tradição que também se repete com as outras três nações católicas (Itália, França e Bélgica), que, historicamente, sempre apoiaram a Custódia da Terra Santa. Por isso, na igreja S. Salvador, em Jerusalém, foi celebrada uma Santa Missa solene, no dia 10 de outubro, na presença do Cônsul geral da Espanha, Alfonso Lucini Mateo e sua esposa, do corpo diplomático da Embaixada espanhola, da Guarda Civil Espanhola e da comunidade civil e religiosa da Terra Santa. Presidiu essa Liturgia Fr. Marcelo Cichinelli, Guardião do convento S. Salvador e Discreto de língua espanhola para a Custódia da Terra Santa.

O dia da festa nacional da Espanha – em que se recorda a descoberta da América por pare do navegador Cristóvão Colombo, em 1492 - é também a Festa de Nossa Senhora do Pilar, título com o qual é venerada a Virgem Maria na Espanha e também o nome da Padroeira dos povos espanhóis. 

“Maria, no Cenáculo, permanece em silêncio, a esperar, mas é testemunha da verdade de Cristo – disse Fr. Marcelo na homilia -. Quando os outros têm medo e duvidam da ressurreição, Maria permanece ali e os sustenta. Foi fiel até o fim, até a morte de seu Filho, mesmo que nada tenha dito. Do mesmo jeito ela é para a Espanha, um país profundamente mariano”. De acordo com o Frade franciscano argentino, apesar da diversidade cultural espanhola, a Espanha mantém-se unida pela devoção a Maria Santíssima. “Como no Cenáculo, Maria está no nascimento da Espanha e na instituição dessa festa – continuou o Frade argentino -. A colocação da festa de Maria do Pilar, nesta data, nos diz que Maria quer falar ao povo espanhol, em cada cenáculo da sociedade. Onde houver medo e dúvida, Maria permanece para dizer “Eu sou aquela que vos assegura a verdade de Jesus!” Maria dá motivo ao homem de hoje a fim de continuar a proclamar o anúncio de Jesus na sociedade espanhola e em todas as comunidades latino-americanas, que herdaram a fé mariana do povo espanhol”.

Os laços entre Espanha e a Terra Santa

“A festa de hoje é especial ocasião para a Espanha, hoje, e o é também para a Guarda Civil espanhola, pois Santa Maria do Pilar é a padroeira da Guarda civil espanhola” – comentou o Cônsul Geral da Espanha, Alfonso Lucini Mateo, que chegou a Jerusalém em julho do ano passado -. E continuou dizendo: “Tradicionalmente, a Espanha foi sempre uma nação católica, mesmo que na Constituição espanhola haja divisão entre Estado e Igreja, e a fé católica é ainda a mais difundida na Espanha”. 

Os laços entre a Espanha e a Terra Santa afundam suas raízes na História de mais de sete séculos e foram firmados pelo Tratado entre a Santa Sé e a Espanha, em 1994. A Espanha, no passado, ofereceu uma contribuição fundamental na aquisição dos Lugares Santos: Belém, Santo Sepulcro e o Túmulo de Maria Santíssima, pois esses haviam passado para as mãos dos gregos-ortodoxos, em 1751.

A Custódia da Terra Santa homenageia a Espanha cada ano, também no dia 30 de janeiro, dia do aniversário natalício do Rei da Espanha, Filippo VI, celebrando uma Santa Missa em sua honra, na Basílica do Santo Sepulcro.

 

Beatrice Guarrera