Jerusalém - a cidade da Via Crucis histórica

Celebrar a Via Crucis em Jerusalém é uma experiência única e especial. Aos peregrinos de todas as partes do mundo é dada oportunidade, de fazer memória ao que Jesus viveu em suas últimas horas, repercorrendo seus passos pelas ruas, de onde tudo começou.

A Via Crucis, no sentido atual do termo, remonta à Idade Média. A retomada das peregrinações veio a partir do século XII e a presença estável, dos Frades Menores Franciscanos nos "lugares santos" a partir de 1233.

Hoje, quem visita Jerusalém pode seguir o percurso em 14 estações, do lugar onde, segundo a tradição, Jesus encontrou Pôncio Pilatos até as últimas quatro estações, localizadas na igreja do Santo Sepulcro, o lugar sagrado da morte de Jesus na Cruz e da sua Ressurreição.

Hoje você também está convidado a percorrer este caminho em oração.
 

Senhor Jesus Cristo,
no teu caminho rumo a Jerusalém,
por bem três vezes quisestes anunciar aos teus discípulos que estavas indo para a Cidade Santa
onde haverias de encontrar rejeição, condenação e morte, mas no terceiro dia, terías ressuscitado.
Ao longo do caminho, também convidastes cada um de nós, todos os dias, a pegar a própria cruz e seguir-te,
recordaste-nos que a semente para dar frutos,
deve cair na terra e morrer,
e fizeste-nos compreender que apenas aqueles que oferecem a própria vida entrarão contigo na verdadeira vida, plena, santa, eterna, de eterna comunhão no amor.
Ajude-nos a levar a sério o teu convite,
para aprendermos a ler tudo à luz da Páscoa,
e para sermos capazes de seguir os teus passos,
para fazermos da nossa vida um dom
junto a ti, que com o Pai e o Espírito Santo
vive e reina e é glorificado,
Deus onipotente, por todos os séculos dos séculos.


PRIMEIRA ESTAÇÃO
Jesus é condenado à morte

Adoramus te, Christe, et benedicimus tibi, 
quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum.

“Pilatos disse-lhes: "O que farei então de Jesus chamado o Cristo?" Todos lhe responderam: "Seja crucificado!" E acrescentou: "Que mal ele fez?" Eles então gritaram: "Seja crucificado!"
Então, libertou Barrabás, e depois de ter flagelado Jesus, o entregou aos soldados para ser crucificado.” (Mt 27, 22-23. 26).


Kyrie eleison
Christe eleison
Kyrie eleison


Senhor Jesus,
Tu te deixastes ser julgado e condenado como um criminoso.
Também deste modo, tomastes sobre si o mal e a injustiça do mundo inteiro, assim como o mal e a injustiça presentes na minha vida e na vida de cada pessoa.
Ajude-nos a não julgar para não sermos julgados também.
Ajude-nos a não lavar as mãos na injustiça,
a não nos tornarmos também cúmplices da injustiça e do mal.
Ajude-nos a entregar em tuas mãos
também a nossa injustiça e o mal que cometemos,
para que sejamos justificados por ti,
pela tua inocência e pela tua santidade.


SEGUNDA ESTAÇÃO
Jesus é carregado com a cruz

Adoramus te, Christe, et benedicimus tibi, 
quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum.

“Então os soldados do governador conduziram Jesus ao pretório e reuniram toda a coorte ao redor dele. Despiram-no, e o adornaram com um manto escarlate; uma coroa de espinhos trançados, puseram-lhe na cabeça, e uma cana na mão direita; então, enquanto se ajoelhavam diante dele, zombavam: "Salve, rei dos judeus!". E cuspindo nele, tiraram-lhe a cana da mão e bateram em sua cabeça. Depois de zombar dele, tiraram-lhe o manto, vestiram-no e o levaram para ser crucificado.” (Mt 27, 27-31).


Kyrie eleison
Christe eleison
Kyrie eleison


Senhor Jesus,
dentro de nós espreita a tendência
de lutar contra aqueles que são fracos e aqueles que cometem erros, mas também contra aqueles que nos parecem bons ou santos demais.
Dentro de nós, como a serpente que alguém pisoteia a cauda, desencadeia também a reação imediata ao menor erro, a menor palavra que nos ofende,
ao que parece diminuir nossa imagem.
Tu carregas e suportas: quem te zomba e te bate
quem te açoita e te coroa de espinhos,
quem te insulta e te veste como rei por zombaria,
quem te coloca sobre os ombros uma cruz que certamente não mereces.
Tu portas e suportas, também, cada um de nós,
a nossa pouca fé a nossa esperança incerta,
a nossa capacidade intermitente de amar.


TERCEIRA ESTAÇÃO
Jesus cai pela primeira vez

Adoramus te, Christe, et benedicimus tibi, 
quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum.

“Ele se encarregou dos nossos sofrimentos,
Inclinou-se sobre nossas dores e nós o julgávamos castigado,
castigado por Deus e humilhado.
Ele foi transpassado por nossas transgressões, esmagado por nossas iniqüidades.
A punição que nos dá a salvação caiu sobre ele; pelas suas feridas fomos curados.” (Is 53, 4-5).


Kyrie eleison
Christe eleison
Kyrie eleison


Senhor Jesus,
nós sabemos o que significa cair
e nós caímos por muitos motivos,
às vezes é em um momento de desatenção que nós caímos, às vezes porque uma carga pesada nos arrasta para o chão, às vezes nós caímos porque tropeçamos em um obstáculo ou porque alguém nos faz cair,
às vezes nos colocamos sozinhos, voluntária e estupidamente,
em situações que nos farão cair.
Tu caístes sob o peso total de nossas quedas
e das quedas de toda a humanidade desde Adão.
Tu caístes para poderes tomar conta do que nos trava.
Tu caístes para levantar-se e dar-nos esperança.
Obrigado, Senhor Jesus


QUARTA ESTAÇÃO
Jesus encontra a mãe

Adoramus te, Christe, et benedicimus tibi, 
quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum.

“Simeão falou a Maria, sua mãe: ‘Este menino está destinado a causar a queda e o soerguimento de muitos em Israel, e a ser um sinal de contradição, de modo que o pensamento de muitos corações será revelado, quanto a tí uma espada atravesará a alma’. Sua mãe guardava todas essas coisas em seu coração.” (Lc 2, 34-35, 51).


Kyrie eleison
Christe eleison
Kyrie eleison


Senhor Jesus,
Maria, tua mãe, te trouxe ao templo em Jerusalém
quando tinhas apenas alguns dias, para apresentar-te ao Pai, precoce profecia de uma vida oferecida por amor, a qual ela mesma participava.
Agora encontra-te no caminho da cruz,
no caminho do pleno cumprimento daquela profecia,
que será o dom de amor de toda a tua vida,
até a última gota de sangue,
até o último suspiro.
Ela que a ti deu vida,
Está próxima de ti no momento em que tu dás a própria vida.
Ela que a ti deu vida, está próxima - agora - de cada um de nós 


QUINTA ESTAÇÃO
Jesus é ajudado pelo Cirineu

Adoramus te, Christe, et benedicimus tibi, 
quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum.

“Ao saírem, encontraram um homem de Cirene, chamado Simão, e forçaram-no a tomar a cruz de Jesus (Mt 27,32).
Jesus disse aos seus discípulos: "Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me." (Mt 16,24).


Kyrie eleison
Christe eleison
Kyrie eleison


Senhor Jesus,
Simão de Cirene não é um voluntário
em dar-lhe uma mão para carregar a cruz,
ele é um homem forçado
depois do cansaço de um dia passado nos campos.
Acontece também conosco, às vezes
o privilégio de ser chamado para levar contigo
o peso do sofrimento de um dos nossos,
a princípio, talvez com relutância,
porque já temos o suficiente
dos nossos trabalhos e nossas cruzes,
então, lentamente, descobrimos que é um dom
poder fazer contigo este trecho de estrada,
que dará um novo significado ao nosso caminhar
à nossa labuta diária,
ao nosso dar a vida.


SEXTA ESTAÇÃO
Verônica enxuga o rosto de Jesus

Adoramus te, Christe, et benedicimus tibi, 
quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum.

“Ele não tem aparência nem beleza
para atrair os nossos olhares (...)
Desprezado e rejeitado pelos homens
homem das dores que bem conhece o sofrimento,
como um diante do qual o rosto se esconde.” (Is 53, 2-3).


Kyrie eleison
Christe eleison
Kyrie eleison


Senhor Jesus,
no rosto e no olhar de todo homem
está contida a essência de sua alma
e a síntese de sua vida.
Em teu rosto e em teu olhar
o rosto e o olhar do Deus invisível é circunscrito,
ferido e incrustado com poeira e sangue,
para irradiar misericórdia e paz sobre nós.
À Veronica tu doastes
a tua primeira e verdadeira imagem
a ser venerada em uma forma existencial,
para deixar-nos também recriar
à tua imagem.


SÉTIMA ESTAÇÃO
Jesus cai pela segunda vez

Adoramus te, Christe, et benedicimus tibi, 
quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum.

“Nós não temos um sumo sacerdote
que não possa compadecer-se das nossas fraquezas,
mas sim alguém que como nós passou por todo tipo de tentação, porém, sem pecado.” (Hebreus 4,15).


Kyrie eleison
Christe eleison
Kyrie eleison


Senhor Jesus,
O que significa ser solidário e compartilhar?
Tu nos mostrastes:
significa baixar-se até à nossa condição humana,
experimentar e sentir aquilo que somos provados
em nossa humanidade e fragilidade,
em tudos e por tudo,
todo o caminho
exceto o pecado.
É o teu abaixar-se que nos eleva
é o teu humilhar-se que nos revela a nossa verdadeira grandeza, é o teu cair que nos levanta de todas as nossas quedas, incluindo o pecado.
Obrigado.


OITAVA ESTAÇÃO
As mulheres de Jerusalém choram por Jesus

Adoramus te, Christe, et benedicimus tibi, 
quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum.

“Uma grande multidão de pessoas e mulheres o seguiu, batendo no peito e lamentando-se por ele. Mas Jesus, voltando-se para as mulheres, disse: ‘Filhas de Jerusalém, não chorem por mim, mas chorem por si mesmas e por seus filhos: eis que chegarão dias em que se dirá: Bem-aventuradas as estéreis e os ventres que não geraram e os seios que não amamentaram... Porque se eles tratam madeira verde assim, o que acontecerá com a madeira seca?’" (Lc 23, 27-29, 31)


Kyrie eleison
Christe eleison
Kyrie eleison


Senhor Jesus,
quantas mães continuam chorando
sobre si e seus filhos,
de acordo com a tua profecia
nos países devastados pela guerra, injustiça e fome,
mas também naqueles igualmente devastados
pela miragem dos paraísos artificiais
e da cultura do descarte.
Sim, és tu a consolar as muitas mães
permanecendo agora sem lágrimas,
para que possam novamente serem elas consoladas.
E também a cada um de nós dá um coração materno
para restituir humanidade a este nosso mundo.


NONA ESTAÇÃO
Jesus cai pela terceira vez

Adoramus te, Christe, et benedicimus tibi, 
quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum.

"Vinde a mim todos vós que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai o meu jugo sobre vós, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração." (Mt 11, 28-29).

Kyrie eleison
Christe eleison
Kyrie eleison


Senhor Jesus,
a terceira queda é aquela que nos revela a meta
e assim recordas a nós que não importa
quantas vezes caímos
mas quantas vezes nos permitimos ser levantados por ti para caminhar em teus passos até o fim
até o momento em que tudo se cumpre, junto contigo.
Coloque-nos de pé,
reaprendamos a caminhar
talvez caiamos de novo
mas novamente encoraja-nos a levantar
para escalar a Montanha Sagrada,
onde tudo se cumpre, junto contigo.
Obrigado, Senhor Jesus


DÉCIMA ESTAÇÃO
Os soldados dividem as vestes de Jesus

Adoramus te, Christe, et benedicimus tibi, 
quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum.

“Os soldados então, quando crucificaram Jesus, pegaram suas vestes e dividiram em quatro partes, uma para cada soldado, restando a túnica. Porém aquela túnica era sem costura, tecida numa única peça de alto a baixo. Então disseram uns aos outros: Não a rasguemos, vamos decidir por sorteioquem ficará com ela. Assim, a Escritura foi cumprida: Minhas vestes foram divididas entre eles,e minha túnica foi lançada a sorte.” (Jo 19, 23-24)

Kyrie eleison
Christe eleison
Kyrie eleison


Senhor Jesus, 
o primeiro homem, criado à sua imagem e semelhança, estava nú no jardim do Éden e sem constragimento,
até o dia em que tu fostes obrigado a lhe dar uma roupa
para protegê-lo do medo e da própria fragilidade.
Agora tu estás despojado:
é um gesto que manifesta o desejo de humilhar-te
e privar-te de tua dignidade.
E ainda assim, tu te despojas
para cobrir cada um de nós com uma veste nova
de um pedaço da tua veste,
de uma dignidade que não tínhamos merecido
e que ninguém mais poderá arrebatar.


DÉCIMA PRIMEIRA ESTAÇÃO
Jesus é pregado na cruz

Adoramus te, Christe, et benedicimus tibi, 
quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum.

“Quando chegaram ao lugar chamado Crânio, eles o crucificaram junto a dois ladrões, um à direita e outro à esquerda. Jesus disse: ‘Pai, perdoa-lhes porque eles não sabem o que estão fazendo’. Então, dividindo suas vestes, eles tiraram a sorte. Um dos ladrões o insultava: ‘Você não é o Cristo, salve a si mesmo e a nós!’ Mas o outro o repreendeu: ‘Você não teme a Deus apesar de condenado ao mesmo castigo?’ Nós, com razão, porque recebemos o direito por nossas ações, mas ele não fez nada errado’. E acrescentou: ‘Jesus, lembra de mim quando entrares no teu reino’. Ele respondeu: ‘Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso.’ (Lc 23, 33-43).


Kyrie eleison
Christe eleison
Kyrie eleison


Senhor Jesus,
lembra de mim no teu reino
e faz com que as portas do teu paraíso se abram também para mim, hoje,
para mim que ainda carrego as feridas do pecado
para mim, que ainda me esforço para confiar e me entregar,
para mim, que gostaria de descer da cruz
em vez de ficar, justamente, bem a teu lado.
Senhor Jesus, continue a interceder por nós pecadores,
que nem ao menos sabemos o que estamos fazendo,
e peça ao Pai que, acolhendo a oferta da tua vida,
deixe descer sobre essa nossa inconsciente humanidade
sua misericórdia e seu perdão.


DÉCIMA SEGUNDA ESTAÇÃO
Jesus morre na cruz

Adoramus te, Christe, et benedicimus tibi, 
quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum.

“Jesus, sabendo que agora tudo tinha sido consumado, para que se cumprisse a Escritura, disse: ‘Tenho sede’. Ali, havia um vaso cheio de vinagre; então eles colocaram uma esponja, embebida em vinagre, na ponta de uma lança e a colocaram perto de sua boca. Depois de tomar o vinagre, Jesus disse: ‘Tudo está consumado!’ E, inclinando a cabeça, entregou o seu espírito.
Vindo [os soldados] e vendo que ele já estava morto, não quebraram as suas pernas, mas um dos soldados com uma lança golpeou seu lado, e imediatamente jorrou sangue e água.” (Jo 19, 28-30.33-34)


Kyrie eleison
Christe eleison
Kyrie eleison


Senhor Jesus,
quando pedes o que beber
é porque tu queres saciar a tua sede.
Já havias dito à samaritana.
Agora que tudo está consumado,
agora que tu estás por realizar o sentido da história,
agora que tua encarnação chega ao fim,
abra para nós uma nova fonte,
água e sangue fluem do teu lado,
um rio que purifica, extingue e cura;
uma fonte aberta que continuará a fluir
por toda a eternidade
e faz do Gólgota o coração da Jerusalém Celestial.


DÉCIMA TERCEIRA ESTAÇÃO
Jesus é deposto da cruz

Adoramus te, Christe, et benedicimus tibi, 
quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum.

“Havia também muitas mulheres que estavam assistindo de longe; elas haviam seguido Jesus da Galiléia para servi-lo... Chegando à noite veio um homem rico de Arimatéia, chamado José, que também havia se tornado um discípulo de Jesus. Ele foi até Pilatos e pediu-lhe o corpo de Jesus. Então Pilatos ordenou que a ele fosse concedido.” (Mt 27, 55. 57-58)

Kyrie eleison
Christe eleison
Kyrie eleison


Senhor Jesus,
o teu corpo inerte é descido da cruz,
enquanto tu, Verbo eterno e imortal
desce ao abismo da morte.
José, Nicodemos e as mulheres,
recompõem rapidamente teus membros sem vida.
enquanto tu, Verbo eterno e imortal
já estás começando a despertar da morte
a humanidade das origens e toda a criação.
A morte parece ter prevalecido
mas tu, Verbo eterno e imortal
semente divina enterrada na nossa história
já está brotando.


DÉCIMA QUARTA ESTAÇÃO
Jesus é colocado no sepulcro

Adoramus te, Christe, et benedicimus tibi, 
quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum.

“José tomou o corpo de Jesus, envolveu-o em um lençol branco e o colocou em seu novo túmulo, que havia sido escavado na rocha. Então uma grande pedra foi rolada na porta do túmulo e ele foi embora. Maria Madalena e a outra Maria estavam ali diante do túmulo.” (Mt 27,51-61).

Kyrie eleison
Christe eleison
Kyrie eleison


Senhor Jesus,
por nove meses te guardou o ventre de Maria,
quando cruzastes o limiar
que separava a eternidade do tempo
e te fizestes carne.
Agora, por três dias, o ventre do sepulcro te guarda.
antes que tu abras para sempre
o limiar que separa esta nossa vida mortal
da plenitude de viver em Deus
para fazer renascer Nele
para sempre
toda a nossa humanidade.
Depositamos sobre a pedra nua,
ao lado do teu corpo sem vida,
também o nosso humano para morrer
cada angústia, medo e turbulência,
cada lágrima e choro.
E contemplamos em silêncio.


Coloquemo-nos idealmente dentro do Santuário do Santo Sepulcro em Jerusalém, no lugar que fisicamente acolheu o corpo de Jesus desde a noite da Sexta-Feira Santa até à manhã da Páscoa e o viu passar da morte à ressurreição. Fiquemos por alguns momentos em silêncio em atitude de adoração. Então rezemos:

Senhor Jesus,
Eu apoio minhas mãos e minha cabeça
sobre esta pedra de mármore
que reveste e preserva a rocha
sobre a qual o teu corpo por três dias
provou da experiência humana
da nossa vida e morte
entregue ao supremo mistério.

Sei que cruzastes o limiar
para entrar na escuridão do nada
na angústia de apenas viver
a breve jornada da erva,
no nosso destino da morte.

Sei que aqui, entre a noite e o amanhecer,
levedura da eternidade no tempo,
dissolvestes a morte para sempre
para finalmente nos trazer de volta ao Pai,
que é ventre e desembarque de tudo.

Eu apoio minhas mãos e a cabeça
nesta cobertura de mármore, me ajoelho e beijo a pedra e sinto que aqui posso acreditar
e posso confiar que aqui posso atingir a esperança da eternidade no amor que é mais forte que a morte.
Amém.


Ajude a Custódia da Terra Santa a preservar os santuários da redenção...
e a sustentar as pedras vivas que continuam contando a história da salvação.