Entrega da Relíquia do Sacro Berço à Custódia da Terra Santa

Diretamente de Santa Maria Maggiore, após cuidadosa preparação, na sexta-feira, 29 de novembro, chegou a Jerusalém a relíquia da Sagrado Berço de Jesus Menino, doado à Custódia da Terra Santa pelo Papa Francisco. Nesse dia, já caro aos Franciscanos por causa da Festa de Todos os Santos da Ordem Seráfica e da aprovação da Regra, os festejos tornaram-se duplos.

Outro Natal aconteceu na pequena capela “Nossa Senhora da Paz”, no interior do complexo de Notre Dame,onde foi celebrada a Santa Missa, de manhã. O Núncio Apostólico em Israel e Chipre, Delegado Apostólico em Israel em Jerusalém e Palestina, Sua Ex.cia Rev.ma Mons. Leopoldo Girelli, presidiu a Santa Missa, concelebrada pelo Custódio da Terra Santa, Fr. Francesco Patton, pelo Diretor do CentroNotre Dame, Padre Juan Solana, e por outros sacerdotes. "Ao receber este dom do Papa Francisco, com fé ardente, nossa alegria não pode ser superficial, mas deve ser profunda” Sublinhou Mons. Girelli na homilia, “a relíquia em madeira dirige nosso olhar ao Calvário, indicando unidade entre o Mistério Pascal e o Natal. A mescla do amor de Deus para com a história dos homens passa através da madeira, que se apresenta seja como madeiro da cruz, seja como madeira do berço de Jesus. Ao final da Celebração Eucarística, os peregrinos e cristãos locais tiveram ocasião de venerar a relíquia.

Na tarde, os Frades franciscanos chegaram ao Centro Notre Dame para a cerimônia da entrega. Dentro da capela foi cantado o hino, seguido pelas leituras do dia de Natal, e tendocomo ponto culminante a leitura do trecho do Evangelho segundo Lucas, que narra o Nascimento de Jesus (Lc 2,1-14).Quem fez o comentário do Evangelho foi novamente Mons. Girelli. "Diante de nós temos um pedaço de madeira, tornado muito precioso, pois foi acariciado pelas mãos delicadas de Maria, pelas mãos calejadas de José e tocados levemente pelas mãozinhas do divino Menino, apenas nascido”, recordou o Núncio. “O retorno a Belém dessa madeira sagrada possa suscitar em nós o desejo profundo de sermos portadores de Deus. Agora é nosso coração que está na manjedoura: berço sacro de Deus feito homem".

O Núncio apostólico, em seguida, fez ler a carta, que o Cardeal Stanislao Rylko, Arquipresbítero da Basílica papal deSanta Maria Maggiore, escreveu ao Custódio da Terra Santa,Fr. Francesco Patton. Na carta, o Cardeal reconstruiu historicamente a importância do dom das relíquias do sagrado berço para a Basílica da qual é Arquipresbítero, chamada há tempos de “Belém de Roma”: o Papa Gregório III fez dela um verdadeiro santuário, não só da Mãe de Deus, mas também do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo. "O Papa Francisco acompanha esse dom com sua bênção", diz a carta, "e com o caloroso augúrio que a veneração dessa importante relíquia abra o coração de muitos varões e mulheres, adultos e jovens, anciãos e crianças, para acolher com renovado fervor de fé e de amor o mistério que mudou o curso da História. O Santo Padre augura, em especial, que a mensagem de paz, anunciada pelos anjos, na noite de Natal, aos homens amados por Deus, que há dois mil anos ressoa desde Belém, traga o dom da paz e reconciliação que nosso mundo tem sempre necessidade".

Depois da leitura, chegou o momento da entrega efetiva da Relíquia ao Padre Custódio, o qual, depois de ter aceito o dom, agradeceu em seu nome, em nome Custódia e de todos os fiéis e peregrinos na Terra Santa. "Hoje é um dia de grande festa, porque é dado um fragmento daquele sagrado berço que recorda o Mistério da Encarnação, tão caro a S. Francisco e fundamento e modelo de nossa própria vocação!” disse o Custódio. "Excelência reverendíssima", acrescentou ao sereferir ao Núncio Girelli, "peço-lhe de fazer chegar ao Santo Padre Papa Francisco toda a nossa gratidão por esse dom. Asseguro-lhe que não nos limitaremos a custodiar esta Relíquia, mas faremos todo o possível para que represente a Igreja em saída e que ela traga a alegria do Evangelho, peregrinando entre as várias comunidades cristãs da Terra Santa, a fim de que reavive a fé em Jesus".

Ao final, foi lida e assinada a Ata da Entrega e, em procissão, acompanhada pelo canto da Ladainha, chegou à igreja S. Salvador, do convento de igual nome. Nessa igreja, após incensar a Relíquia, foi cantado o que se canta na Gruta de Belém, durante a procissão diária na Basílica da Natividade. Seguiram-se as Vésperas Solenes da Festa de Todos os Santos da Ordem Seráfica, que marcaram o fim da celebração da entrega da Relíquia.

"Esse fragmento do Sacro berço do Senhor Jesus, que hoje nos foi dado, poderá tornar-se um convite a nós e -através de nós – para nossos cristãos locais e os milhões de peregrinos, a dobrar os joelhos diante do Filho de Deus, que se humilhou e fez-se pequenino por nosso amor!” concluiu o Custódio. "Um convite de abraçar a onipotência de Deus, que se manifesta na impotência do Menino de Belém, e se manifestará de modo ainda mais forte na impotência aparente do Crucificado". 

Giovanni Malaspina