Justiça e Paz: O Conselho Internacional da Ordem dos Frades Menores em Jerusalém

De 03 a 10 de junho de 2019, a Custódia da Terra Santa acolheu o encontro bienal de Programação do Conselho Internacional de Justiça e Paz e Integridade da Criação (JPIC) da Ordem dos Frades Menores.

O Escritório da JPIC sempre se ocupa de tudo o que diz respeito à Justiça, à Paz e à Integridade da Criação, valores reconhecidos como fundamentais na Espiritualide Franciscana. Esses valores também se expressam na luta contra a mudança do clima, a tutela dos Direitos humanos e a atenção particular aos problemas e violações reais da natureza, existentes nos 119 países em que a Ordem está presente e atua. "O encontro destes dias - comentou Fr. Jaime Campos, Diretor do Escritório geral da JPIC - nos possibilita avaliar o trabalho feito e projetar, confrontando-nos com o futuro em constante atenção aos conteúdos da Encíclica "Laudato Si’''.

Os trabalhos foram abertos por uma Celebração Eucarística, presidida pelo Custódio da Terra Santa, Fr. Francesco Patton; seguiram-se apresentações dos representantes das diferentes Conferências dos Frades Menores, vindos da Austrália, Chile, Colômbia, Coreia, Filipinas, França, Itália, México, Polônia, Reino Unido, Eslovênia e USA. Os Frades franciscanos, presentes, narraram os problemas nos diferentes lugares que representam.

Central foi a contribuição das três organizações que colaboram estreitamente e caminham em estreito contato com o Escritório da JPIC: Movimento Católico Mundial para o Clima (MCMC), Associação Pax Christi e Franciscans International (FI).

Representava o MCMC o atual Diretor executivo, o argentino Tomás Insua, o qual falou do objetivo do  Movimento: ajudar a Igreja a pôr em prática a Laudato Si'. Para fazê-lo precisa vivê-la e realizar uma “conversão ecológica", que transforma a relação com a Criação e, ao mesmo tempo, o estilo de vida. O objetivo é ajudar a Igreja a ser mais sustentável e envolvida no debate público sobre a crise climática, a fim de proteger nossa casa comum: a "Irmã Mãe Terra". Durante sua presença no encontro, Tomás Insua afirmou: "Ter a possibilidade de estar aqui, para mim, é muito significativo: cresci com os Franciscanos e falar-lhes da Laudato Si' é, verdadeiramente, oportunidade importante. Além disso, ter a possibilidade de rezar, imerso na mesma criação que viu Jesus, quando rezava, percebo-o como grande dom!”

Em nome da Franciscans International (FI) estava presente Fr. Markus Heinze, OFM, Diretor executivo. A Associação não governativa, que representa toda a Família Franciscana nas Nações Unidas, com sede em Genebra e New York, festeja neste ano o trigésimo aniversário de sua fundação. A missão da FI centra-se na Defesa dos Direitos Humanos. A FI, escuta diretamente os temunhos das pessoas envolvidas nos vários países em que estão sendo violados os Direitos Humanos, assume o encargo de apresentar esses problemas, apresentando-os às várias agências da ONU. “Nosso trabalho de informação sobre o que acontece no mundo, do que não é habitualmente noticiado, procura sensibilizar e levar a ações concretas (fazer o lobbying) nas Nações Unidas”. Comentou Fr. Markus: "Encontrar-se aqui é muito importante: de um lado, recordamos as celebrações dos 800 anos do encontro entre S. Francisco e o Sultão; de outro lado, o papel crucial que se joga aqui, na Terra Santa, num território em que conflitos acontecem quase cada dia!"

O encontro encerrou-se com a redação de um documento final e a celebração da Solenidade de  Pentecostes. "Estar aqui em Jerusalém é importante” - declarou Fr. Campos. “Nos últimos anos, a Custódia da Terra Santa deu impulso à JPIC, criando uma Comissão que trabalha intensamente. Além disso, a missão dos Franciscanos na Terra Santa é grande desafio, que influencia também nossa Espiritualidade!" 

Giovanni Malaspina