No lugar da condenação de Jesus, em Jerusalém

A última etapa do caminho quaresmal dos Frades da Terra Santa aos lugares da Paixão de Jesus foi na quarta-feira, 24 de março, na capela da Condenação do Senhor. A capela acha-se no complexo do convento da Flagelação, construído onde se achava antigamente a “Fortaleza Antônia”, na Cidade Velha de Jerusalém. O pavimento da capela apresenta, ainda hoje, grandes lajes (também visíveis ainda no vizinho santuário do Ecce Homo) e foi identificado como o Litóstrotos, do Latim lithostrotum, que significa exatamente “pavimentado com pedras”, ou verdadeiramente o Tribunal onde estado sentado Pilatos, quando condenou à morte Jesus (Jo 19,16-22). Dali Jesus saiu carregando a cruz até o lugar de sua crucificação e é por isso que todos os peregrinos que repercorrem o caminho de Jesus na Via Dolorosa, em Jerusalém, partem desse lugar. 

Na Capela da Condenação foi celebrada missa solene, presidida por Fr. Gregor Geiger, Professor do Studium Biblicum Franciscanum, a Faculdade de Ciências Bíblicas e Arqueologia Bíblica-Cristã, que, desde 1923, tem sua sede, exatamente no convento da Flagelação. 

Na homilia, Fr. Frédéric Manns, também ele Professor do Studium Bliblicum Franciscanum, repercorreu o caminho traçado pelas leituras antes proclamadas, evidenciando que a figura de Jesus realizou o que fora anunciado no Antigo Testamento. “Como Isaque foi ligado para ser sacrificado pelo seu Pai Abraão (Gên. 22,1-18), assim Jesus foi ligado para ser levado a Pilatos”, disse Fr. Manns. Também Moisés prefigura Jesus na cruz, portador de vitória, se nos referirmos ao episódio em que Moisés, permanecendo com os braços abertos em oração, fez com que Josué vencesse na batalha (Êx. 17). O sacerdote também quis sublinhar a ligação de Jesus com os oráculos messiânicos do Antigo Testamento, como no capítulo 11 de Isaías, e sua representação como rei e, ao mesmo tempo, pastor do rebanho. 

“Neste Santuário devemos recordar hoje todos os peregrinos que passaram por aqui. Rezemos por eles e para que, logo mais, possam ser numerosos novamente”, concluiu Fr. Frédéric Manns.

Após ter recordado o choro de Jesus sobre Jerusalém, sua oração no Getsêmani, o momento de sua flagelação e depois a peregrinação a Betânia, os Frades da Custódia da Terra Santa, concluíram assim as peregrinações quaresmais no lugar da Condenação de Jesus. Em nome da Igreja, na oração dos fiéis, elevaram,a uma só voz, a súplica: “AQUI. Jesus foi exposto à multidão, inocente e condenado, refutado e humilhado, rezemos a Deus para que nos torne conscientes de quão grande e quão fiel é seu amor por nós”.  

 

Beatrice Guarrera