Festa da Visitação em Ain Karem  

                A festa da Visitação recorda a visita da Virgem Maria à sua prima Isabel, depois de ter tido a notícia que seria a mãe de Jesus por obra do Espírito Santo. No vilarejo de Ain Karem, perto de Jerusalém, onde, segundo a tradição, aconteceu esse piedoso episódio do Evangelho, os Frades da Custódia celebraram a Missa solene, no dia 01 de junho.

                A visita da Virgem Maria a Isabel, inicialmente, era lembrada num lugar diferente daquele da Natividade de S. João Batista, nos inícios do décimo quarto século, mas os Franciscanos da Terra Santa adquiriram a propriedade somente em 1679 e, só mais tarde, entre 1938 e 1955, fizeram construir novo santuário pelo Arquiteto Antônio Barluzzi. Já desde 1263, a Ordem Franciscana festejava a solenidade da Visitação, estendida à toda a Igreja, em 1389, pelo Papa Urbano VI.

                Neste ano, a Missa da solenidade foi presidida pelo Custódio da Terra Santa, Fr. Francesco Patton, na presença do Vigário da Custódia, Fr. Dobromir Jaztal, e alguns poucos Frades e religiosos de Ain Karem. Na homilia, o Custódio da Terra Santa quis dar uma síntese da mensagem da solenidade, a partir de um elemento insólito: os pés de Maria. “Os pés de Maria são os pés de quem evangeliza, de quem se põe a caminho, com pressa de chegar de Nazaré até aqui, An Karem, a fim de partilhar a alegria de sua maternidade e alegria da salvação que se avizinha – explicou Fr. Patton -. Pensando em Maria, que vem apressada para visitar a prima Isabel, aqui em Ain Karem, vieiram-me à mente as palavras do Profeta Isaías: ’Como são belos sobre os montes / os pés do mensageiro com alegres anúncios, / que anuncia a paz, / o mensageiro de bem, que anuncia a salvação, / que diz a Sião: ”Reina teu Deus!” (Is 52,7). Então, o Custódio perguntou aos presentes: “Somos chamados a evangelizar, essa é nossa vocação cristã e franciscana. Como estão nossos pés? Sabem mover-se com pressa, ou são pés lentos e preguiçosos, talvez firmes num lugar do qual não queremos, de fato, sair?” (aqui l’omelia completa).

 

                Após a missa, os Frades da Custódia foram em procissão da igreja superior até à cripta da Visitação, onde foi lido o trecho relativo do Evangelho. “Neste ano, celebramos a solenidade com menos fiéis do que nos anos passados, mas não com menos solenidade!” Afirmou Fr. Nicolás Márquez-Gutiérrez, Guardião do convento da Visitação. Fizemos, porém,  a celebração com grande fé, na simplicidade do lugar, mesmo que não haja comunidade cristã aqui, em Ain Karem. O santuário da Visitação fala-nos de uma alegria existencial, ontológica, da parte mais profunda da pessoa humana, representada pelo seio de Isabel e o seio de Maria Santíssima. Uma alegria na qual há o encontro com aquele que pode dar sentido ao sofrimento e à morte. Neste período especial, recordamos a visita de Jesus a seu povo e de Maria, a portadora dessa salvação”.

 

 

Beatrice Guarrera