Ain Karem – Visitação

Entre as igrejas de S.João e da Visitação, encontra-se uma fonte chamada pelos peregrinos do século XVI de “Fonte da Virgem”. Segundo uma tradição, naquele lugar Maria teria encontrado sua prima Isabel e entoado um hino de louvor, o Magnificat: canto de gratidão a Deus.

A minha alma engrandece o Senhor, 
e meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador, 
porque ele olhou para a humildade de sua serva. 
Todas as gerações, de agora em diante, 
me chamarão bem-aventurada, "

A visita da Virgem Maria a Isabel é situada pela primeira vez num lugar diferente da natividade de S. João, já nos inícios do século XVI: “A casa de Zacarias se encontra sobre as montanhas da Judéia... Naquele lugar existem duas igrejas... e entre estas igrejas jorra uma fonte abundante de águas. No lugar da primeira igreja se diz que Isabel foi saudada pela Bem-Aventurada Virgem Maria. Se diz também que no mesmo lugar foi escondido o bem-aventurado João Batista no tempo do massacre dos inocentes. No lugar onde se encontra a segunda igreja, nasceu João Batista” (Frei Giovanni Fedanzola de Perugia, 1330). 

Além do episódio narrado no Evangelho, na mesma igreja se conserva a memória do “escondimento” de S. João Batista, tomado do apócrifo Proto-evangelho de Tiago (sec. II) e evocado pelo abade russo Daniel (início do sec. XII): “Sobre um estreito vale repleto de árvores, se encontra a montanha pela qual Isabel corria con seu filho e disse: Recebe, oh montanha, a mãe e o filho. E a montanha se abriu e deu a eles refúgio. Os soldados de Herodes que a seguiam, chegando aquele lugar e não encontrando ninguém, retornaram confusos. Se pode ver ainda hoje o lugar onde isto aconteceu, assinalado na rocha. Acima se eleva uma pequena igreja debaixo da qual existe uma pequena gruta, e junto a sua entrada uma outra pequena igreja. Desta gruta surge uma fonte que deu de beber a Isabel e a João, durante o tempo que ficaram na montanha, servidos por um anjo até a morte de Herodes”. Relíquias da “terra da gruta de Isabel e João” eram conservadas desde o século VII em Roma, no tesouro do Latrão como em outros lugares. Uma pedra, amostra na cripta, perpetua até hoje esta tradição.

Naqueles dias, Maria partiu apressadamente para a região montanhosa, dirigindo-se a uma cidade de Judá. Ela entrou na casa de Zacarias e saudou Isabel. Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou de alegria em seu ventre, e Isabel ficou repleta do Espírito Santo. Com voz forte, ela exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! Como mereço que a mãe do meu Senhor venha me visitar? Logo que a tua saudação ressoou nos meus ouvidos, o menino pulou de alegria no meu ventre. Feliz aquela que acreditou, pois o que lhe foi dito da parte do Senhor será cumprido!”. Maria então disse: 
“A minha alma engrandece o Senhor, 
e meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador, 
porque ele olhou para a humildade de sua serva. 
Todas as gerações, de agora em diante, 
me chamarão bem-aventurada, 
porque o Poderoso fez para mim coisas grandiosas. 
O seu nome é santo, e sua misericórdia se estende 
de geração em geração sobre aqueles que o temem. 
Ele mostrou a força de seu braço: 
dispersou os que tem planos orgulhosos no coração. 
Derrubou os poderosos de seus tronos 
e exaltou os humildes. 
Encheu de bens os famintos, 
e mandou embora os ricos de mãos vazias. 
Acolheu Israel, seu servo, lembrando-se de sua misericórdia, 
conforme prometera a nossos pais, 
em favor de Abraão e de sua descendência, para sempre”. 
Maria ficou três meses com Isabel. Depois, voltou para sua casa. 

Lucas 1,39-56

No século XVI o santuário era guardado pelos monges armênios que pouco depois se retiraram. Os franciscanos adquiriram o lugar no ano de 1679. Os escavos (padre Bellarmino Bagatti, 1937) conduzidos em vista da construção do novo santuário (Arq. A. Barluzzi, 1939-40) evidenciaram restos de antigas construções comemorativas, das quais fazem parte a igreja superior e a cripta com uma antiga galeria em pedra, que termina sobre um poço alimentado continuamente de uma sutil veia de água. Em notável estado de conservação está o salão dos cruzados que se encontra ao lado sul da igreja.



1. Ingresso atual
2. Cisterna bizantina (sec. VI-VIII) 

3. Poço e pequena fonte (sec. VI-XII)
4. Igreja superior
5. Salão cruzado (sec. XII)

Igreja da Visitação 
P.O.B. 1718 - Terra Santa 
91170 - Ain Karem - Jerusalem 
Tel: +972. 2 641.72.91 
Fax: +972. 2 643.11.63

Horário de abertura do Santuário
Verão (Abril a setembro): 8:00 - 11:45 / 14:30 - 18:00
Inverno (De outubro a março): 8:00 - 11:45 / 14:30 - 17:00