Em oração no santuário da casa de S. José, em Belém 

Não está entre os santuários mais conhecidos de Belém, mas, como em todos Lugares Santos, conservados em nossos dias, transmite a memória de uma antiga devoção. Trata-se do santuário da Casa de S. José, propriedade da Custódia da Terra Santa, situada na estrada que desce da Basílica da Natividade em direção de Beit Sahour (lugar do anúncio dos anjos aos pastores). Exatamente nessa casa de S. José, sexta-feira, 19 de novembro, os Frades franciscanos reuniram-se para celebrar uma missa especial, por ocasião do Ano de S. José, introduzido pelo Papa Francisco. 

A Santa Missa foi presidida pelo Vigário da Custódia da Terra Santa, Fr. Dobromir Jasztal, que explicou o motivo da Liturgia naquele lugar: “Hoje, estamos aqui a fim de celebrar a memória de S. José que, chegando a Belém com Maria para participar do recenseamento, depois do nascimento de Jesus na Gruta, encontrou casa para viver, uma casa, onde os Magos puderam adorar o menino, indicado pela estrela”. O Evangelho de Mateus indica, na verdade, que os Magos adoraram o Menino Jesus, depois de ter entrado numa casa (Mt 2,11). 

O Vigário da Custódia, depois, falou da grandeza de S. José: “S. José confia em Deus quando esse lhe pergunta se aceita de ser inserido no plano da encarnação e do nascimento do Filho de Deus. Sem fazer pergunta, sem pedir alguma explicação, sem calcular se poderia  ver a obra da salvação que o menino poderia realizar, sem poder nem mesmo imaginar que o Menino realizaria, sem poder nem mesmo imaginar sua ressurreição e sua constituição como Rei do Universo, também ele acreditou, como Abrão, às promessas de Deus, seguro na esperança. O mistério da grandeza de S. José está escondido nas simples e poucas palavras: Ele fez como lhe havia ordenado o anjo do Senhor”

“S. José é uma verdadeira testemunha da verdade do homem, porque nos ensina com sua vida o que significa ser verdadeiramente livre – afirmou Fr. Dobromir -. Neste lugar, peçamos sua intercessão e aprendamos dele como viver o projeto que Deus preparou para cada um de nós, com fé, mansidão e obediência às suas palavras!”

A história do santuário

Segundo o historiador bizantino Nicéforo Calixto, Santa Helena, mãe do imperador Constantino, fez construir em Belém uma igreja em honra de S. José, Esposo de Maria. Essa igreja poderia ser uma das mencionadas nas crônicas de um Peregrino armênio do V século, a três estádios a oeste de Belém. Em todo caso, o lugar em que surge hoje o santuário da Casa de S. José coincide exatamente com aquela da igreja venerada pelos peregrinos Gucci e Frescobaldi, no fim do XIV século.

O santuário foi adquirido pela Custódia da Terra Santa, em 1888, por um armênio ortodoxo e no ano 1890 foi edificado ali um convento. A pequena igreja ainda existe, foi reinaugurada em 1893. Ao lado da igreja da Casa de S. José acha-se hoje um centro dedicado a S. José, inaugurado em 1999 e administrado pelas Irmãs Dominicanas de Santa Catarina de Siena.

As celebrações na Terra Santa dedicadas ao Ano de S. José

Para celebrar dignamente esse especial ano de S. José instituído pelo Papa Francisco, a Custódia da Terra Santa organizou Liturgias especiais durante todo o ano 2021, nos lugares santos ligados à vida de S. José. As demais iniciativas, ligadas à vida de S. José  são estas:

  • A solenidade de S. José, esposo da Virgem Maria, na igreja de S. José, em Nazaré (19 março 2021);
  • A festa de São José Operário, na gruta de S. José, em Belém, (01 de maio de 2021);
  • A comemoração da Fuga da Sagrada Família ao Egito, no Santuário da Gruta do Leite, em Belém, primeira etapa desse exílio (19 de outubro de 2021).
  • A celebração conclusiva desse ano especial acontecerá no dia 08 de dezembro em Nazaré, onde, no fim da Missa da concepção imaculadao de Maria, os Frades vão dirigir-se em procissão à Gruta de S. José. 

Beatrice Guarrera