Em Belém inicia o Advento

Começam os preparativos para as celebrações natalinas na Terra Santa. Sábado, dia 28 de novembro de 2020, em Belém, lugar em que Jesus nasceu, o ingresso solene do Custódio da Terra Santa, Fr. Francesco Patton, e a Missa Solene celebrada no dia seguinte marcaram o início das celebrações litúrgicas tradicionais deste tempo de Advento: um tempo especial também por causa da pandemia global que atinge essa terra.

A jornada de sábado, dia 28 de novembro, iniciou, como é tradição, com o encontro do Custódio com parte da comunidade da paróquia S. Salvador na sala do Divã do convento franciscano da cidade velha. O primeiro a tomar a palavra foi o pároco, Fr. Amjad Sabbara, que acentuou a importância das raízes cristãs dos fiéis locais e a importância de ser cristão neste lugar todo especial, além disso a difícil situação da pandemia em que o mundo se encontra. Fr. Patton, depois, interveio sublinhando a peculiaridade da presença dos peregrinos para a comunidade local, sustento não só econômico, mas também espiritual: uma oportunidade de uma janela sobre a Igreja Universal. “Hoje, queremos pegar simbolicamente a luz que vem de Belém!” - disse o Custódio - “a fim de manter viva a esperança, a confiança no Pai do Céu, a caridade que nos leva a sermos solidários e ajudar-nos reciprocamente. O vírus Covid-19 passará, é importante que permaneça a solidariedade entre os irmãos e irmãs na comunidade. Que o Senhor nos ajude a olhar para frente, a viver sempre com esperança!”. 

Como determina o Status Quo, o segundo momento foi a saudação à reduzida representação civil e religiosa, vinda de Beit Jala, diante do Mosteiro grego-ortodoxo de Mar Elias, para, em seguida, dirigir-se à Basílica da Natividade em Belém, passando pelo checkpoint da tumba de Raquel, excepcionalmente aberto cada ano neste dia. Contrariamente a anos anteriores e por causa do recente protocolo anti-Covid, o Custódio depois percorreu a central Star Street no carro, guiado por um grupo de escoteiros locais. Chegado à praça diante da Basílica, um discreto número de representantes da comunidade local, presente ali a fim de introduzir o Custódio em seu ingresso solene na Basílica da Natividade. Depois de saudar as autoridades civis e a representação das outras definições cristãs presentes na Natividade, o Custódio atravessou a porta da humildade, seguindo o cortejo dos Frades franciscanos que iam à sua frente.

Na igreja de Santa Catarina, propriedade franciscana que bordeja a Basílica da Natividade, o Custódio foi acolhido por Fr. Enrique Segovia, superior do convento franciscano de Santa Caterina. “A pandemia é como a noite: há noites mais longas e noites mais curtas, mas a noite sempre acaba e o sol volta a brilhar!” - disse Fr. Patton -. “E se nosso Sol for o Senhor Jesus Cristo, não devemos temer a noite!” 

Algumas horas depois dessa breve celebração, o Custódio presidiu as Primeiras Vésperas solenes do Primeiro Domingo do Advento. Durante as Vésperas, foi inserido o tradicional rito do lucernário, que prevê acender a primeira vela da Coroa do Advento, com uma vela na manjedoura, lugar do nascimento do menino Jesus.

Na manhã do domingo, foi celebrada a missa solene em língua árabe, presidida também por Fr. Francesco Patton. “No Evangelho, Deus nos diz que devemos estar sempre vigilantes, a fim de recordar-nos que somos chamados a viver com responsabilidade, esperança e fé nossa vida cristã”. A homilia em idioma árabe, pronunciada pelo Pároco Fr. Rami Asakrieh, teve como centro o termo “Vigiar”: na expectativa, sem o risco de adormecer, mas na expectativa voltada ao trabalho pela nossa salvação.

“A Paróquia de Belém continua a preparar-se para o Natal!” - conta Fr. Rami -. “Por causa do vírus, estamos mais prontos e dispostos a voltar nosso olhar sobre a origem da salvação, e não sobre cerimônias exteriores: procuramos alcançar as profundidades de nossa fé. Este tempo pode ser boa ocasião para isso, apesar das festividades, que serão muito limitadas, por causa dos protocolos anti-Covid”. 

 

Giovanni Malaspina