A Casa do Garoto: uma família também no tempo da pandemia

"Reencontrei uma família, com a acolhida e o bem, aquele verdadeiro, reservado a quem se quer bem!” Assimcomenta seu retorno a Belém o Fr. Sandro Tomašević,após alguns anos vice-párocona Paróquia S. Salvador, na cidade velha Jerusalém.Um serviço especial aquele ao qual foi destinado: ele é, na verdade, o novo encarregado da Casa do Garoto.

Surgida da exigência de responder ao grito silencioso das crianças em situações familiares difíceis, a Casa do Garoto, às portas de seu décimo quarto ano de atividade, oferece acolhida, seja residencial ou não residencial a crianças e adolescentes entre 16 e 18 anos para dar-lhes válida alternativa a um dia a dia, muitas vezes, feito em contextos pesados.Apesar da pandemia e os regulamentos devidos ao Covid-19, são 09 os rapazes que residem estavelmente na Casa e a esses se ajuntam entre vinte a trinta jovens, que a frequentam durante a jornada.

O projeto nasceu de uma ideia do atual Pároco de S. Salvador, em Jerusalém, Fr. AmjadSabbara, que, no giro anual de bênção às casas dos paroquianos,havia percebido algumas situações que necessitavam de ajuda: algumas crianças sofriam com o divórcio dos genitores, outros enfrentavam problemas de dependência de substâncias na família, a ponto de chegar a alguns casos de violências domésticas de diversos tipos.

Inicialmente, se pensava a um simples ambiente pós-escola,que possibilitasse aos jovens poder empenhar-se no estudo num ambiente diferente que a própria casa, com objetivos precisos:evidenciar a necessidade de realizar projetos pessoais, mas também crer na possibilidade de ter um futuro florido. Pouco depois do início, Fr. Amjad foi transferido e seu posto foi ocupado porFr. MarwanDi'ides, o qual decidiu ligar esse projeto à realidade da escola pela qual era o responsável. Assim, com o consentimento do Custódio de então, S.B. Frei PierbattistaPizzaballa, tornou-se projeto residencial,mantido pela Franciscan Foundation for theHoly Land. Desde então, os jovens começaram a viver estavelmente ali, de segunda-feira a sábado de tarde, exatamente como se fosse sua casa.

"Cada passagem em nossa vida franciscanaé um desafio!" afirmou Fr. Sandro. "Não temos vida fixa, por isso voltar de novoa Belém, depois de poucos anos, não me espantava. Aqui reencontrei uma família, com a acolhida e o bem reservado a quem se quer bem". Mesmo que oCovid-19 tenha exigido diversas normas de segurança, a vida dentro da Casa do Garoto também continua com Fr. Tomašević de maneira quase ordinária: diversas são as atividades que animam a vida dos jovens que nela moram: esporte, passeios, mas também encontros com outras realidades locais, como a Sociedade Bíblica e a Casa Família Francesa dos jovens.

Há pouco, foi inaugurada uma novidaderealizada pelo responsável anterior, Fr. EmadRofael,foi renovada a Capela com pinturas do artista localAntoniosAoun, com o título "a família celeste". "Antes era uma sala polivalente", disse Fr. Sandro, os jovens a utilizavam também para o estudo e os encontros,mas agora, foi organizada para ser a capela, exclusivamente para a oração e a missa. Falando de família, quero recordar que, segundo o que eu penso, é fundamental a existência desse espaço, porque é aqui que tomamos a força para sermos família!"

Recentemente, foi reativada a página Facebook em idioma árabe: nessa página são publicados, sobretudo, encontros formativos propostos aos jovens. "Devemos trabalhar para sempre servirmos de exemplo!” concluiu Sandro, "mas viver aqui não é somente estudo: exige-se muito afeto e muito amor a ser dado, eesses faltam frequentemente!"

Giovanni Malaspina