Ir. Guadalupe de Diòs: após 22 anos, nova Profissão solene entre as Irmãs Clarissas de Jerusalém

Domingo, 10 de maio, no Mosteiro de Santa Clara, em Jerusalém, Irmã Guadalupe de Diòsemitiu a Profissão solene nas mãos da Delegada, responsável da Comunidade pelas Clarissas, Irmã Maria de Nazaré, durante a celebração eucarística, presidida pelo Administrador apostólico do Patriarcado Latino de Jerusalém, Mons. Frei PierbattistaPizzaballa.

Serena e luminosa, mas visivelmente emocionada,a argentina Irmã Guadalupe, que há quatro anos se encontrava no Mosteiro de Jerusalém, completou seu percurso de discernimento vocacional."Não acontecia há 22 anos", reforçou Ir. Maria deNazaré, no fim da celebração, ao identificar o evento como sinal de ação de graças e louvor a Deus, neste tempo especial."Celebrada hoje" – continuou Ir. Maria de Nazaré," neste contexto de pandemia, a profissão solene da Ir. Guadalupe tem um valor detestemunho da vida contra a morte; da alegria sempre possível, contra o espalhar-se da tristeza e do medo"! Uma função simples e íntima, “em que Palavra de Deus iluminou o evento”, como havia dito Mons. Frei Pierbattista na homilia, durante a celebração.

Em seu comentário das leituras, Mons. Pizzaballa citara a história da primeira comunidade cristã de Jerusalém (At 6, 1-7), em que, diante da emergência social para o serviço das mesas, entre “discussões, opiniões e visões diferentes”,nasceu o ministério diaconal.Assim, nas comunidades do Antigo Israel, - continuou Mons. Pizzaballa - "abriram-se, pouco a pouco, perspectivas do projeto de Deus”: uma história feita de angústias,que envolve a todos e nos leva a cumprir a vontade de Deus, através de nossas batalhas, fadigas e desejos, com toda nossa humanidade, que convolve toda a nossa Igreja num projeto, ainda vai serrealizado, mas com a certeza de que "tudo é graça".

"Agrada-me pensar em tua história e tua vocação”, comentou o Administrador apostólico, "comoa uma cansativa, mas sincera, busca da Face do Pai. No fundo, se pensamos por um átimo, essa também é a história de cada um de nós".Concluindo, desejou à Irmã Guadalupe que o Espírito Santo a plenifique daquele fogo santo, que purifica, que lhe conceda energia e a inflame de amor renovado,a fim de abrir-lhe nova e alegre contemplação da Face de Deus, uma Face de"misericórdia e de paz".

 

Também a Custódia da Terra Santa quis estar vizinha à Comunidade das Irmãs clarissas, com essa mensagem: “É com grande alegria que, também nós, Frades da Custódia da Terra Santa, agradeçamos ao Senhor por esse dom, ao desejarà Irmã Guadalupe uma vocação santa, que possa ser nova semente, plantinha de S. Francisco, sempre seguindo o exemplo e o carisma de nossa Mãe Clara,e que para nós seja sinal visível da Face do Pai e Seu amor a Cristo.

Que a Virgem Maria sempre te acompanhe, Irmã Guadalupe, e te abençoe com Sua bênção materna, para que possas ser sempre fiel a seu Filho, Nosso Senhor, que te escolheu e te chamou!