A festa nacional da Bélgica, celebrada em S. Salvador, Jerusalém

S. Leopoldo, padroeiro da Bélgica, foi festejado também neste ano com celebração na Custódia da Terra Santa. Domingo, dia 10 de novembro, em honra do Rei Filipe da Bélgica, na igreja S. Salvador, em Jerusalém, foi celebrada a Eucaristia na presença do Cônsul geral do Reino da Bélgica, Danielle Haven. Para a Custódia da Terra Santa esses eventos representam um sinal de agradecimento, cada ano, pelo que foi feito no passado e no presente, pela França, Bélgica, Itália, Espanha, as quatro nações católicas, protetoras da comunidade cristã.

Fr. StéphaneMilovitch, responsável pelo Departamento dos Bens Culturais da Custódia, presidiu a Missa, na qual se quis homenagear a diversidade de línguas na Bélgica com leituras em Francês, Flamengo e Alemão, três idiomas falados naquela nação.

«Hoje, celebramos S. Leopoldo – com alguns dias em antecedência, porque a festa cai no dia 15 de novembro; escolhido pelo Rei Leopoldo como santo padroeiro, ao ser fundada a nação belga, em 1830. Seus valores foram a favor da paz e da liberdade religiosa; isso auguramos ao Rei de hoje! »disse na homilia o Padre Christian Eeckhout, dominicamo da ÉcoleBiblique et ArchéologiqueFrançaisediJerusalém. «As Leituras do dia sugerem permanecer fortes nas dificuldades e perseguições»continuou o Padre Eeckhout. O Padre dominicano, depois, citou uma frase do Papa Bento XVI,alemão como S. Leopoldo, usada pelo Papa Francisco em sua mensagem para Jornada Mundial da Paz deste ano: «O que há de mais belo do que a mão estendida? Ela foi desejada por Deus a fim de dar e receber. Deus não quis que ela matasse (cfr.Gn 4,1s) ou que faça sofrer, mas que cure e ajude viver. Ao lado do coração e da inteligência, a mão pode tornar-se, também essa, instrumento de diálogo».À luz de tudo isso, segundo o Padre Eeckhout, é necessário promover os valores humanos de igualdade, respeito e justiça.

Como de costume, para as celebrações nas quais participa o corpo diplomático dos consulados, a festa se concluiu com pequeno refresco, preparado na sala doDiwan de S. Salvador, dedicado aos recebimentos oficiais.

«Meus sentimentos de hoje são alegria, orgulho e privilégio– comentou o Cônsul geral do Reino da Bélgica, Danielle Haven-. Estou já no terceiro ano no cargo e participar da Missa em honra de nosso Rei, aqui em S. Salvador, é sempre momento de alegria. Temos ótimas relações com a Custódia da Terra Santa e somos muito vizinhos de nossas comunidades cristãs da Terra Santa».  Nos últimos anos, a Bélgica pagou a restauração dos vitrais da Basílica da Natividade em Belém e não deixou faltar seu apoio moral e espiritual à Custódia.  Testemunhaas antigas relações entre as duas instituições: o precioso objeto proveniente da Bélgica, conservado hoje no Terra SanctaMuseum da Custódia: a espada dita de Godofredo de Bulhão, utilizada nas investiduras dos Cavaleiros da Ordem do Santo Sepulcro.

Beatrice Guarrera