Epifania: "Hoje, Belém é a capital do mundo"

“Na solenidade da Epifania, Belém é a capital do mundo: a cidade atrai todos os povos”, assim o Custódio da Terra Santa, Fr. Francesco Patton, introduziu seu comentário ao Evangelho do dia da Epifania, na igreja Santa Catarinaad Nativitatem, ao lado da Basílica da Natividade.

A Epifania é a festa da primeira manifestação do encarnado Senhor aos povos, representados pelos três reis magos, que o honram, oferecendo a Jesus seus dons. Para a Custódia da Terra Santa a festa da Epifania é celebrada em Belém, o lugar do nascimento de Jesus, segundo o esquema litúrgico e celebrativo consolidado também pelo Status Quo. Como no primeiro Domingo do Advento, a celebração se abre encontrando um representante da comunidade paroquial de Jerusalém, na manhã do dia 05 de janeiro. Então segue um segundo encontro diante do mosteiro ortodoxo de Mar Elias, com a comunidade da paróquia de BeitJalae algumas autoridades locais.

Após atravessar ocheck-point,junto ao túmulo de Raquel, excepcionalmente aberto nesse dia de festa, o Custódio da Terra Santa e a delegação de franciscanos e paroquianos, queo acompanham, chega à praça da Manjedoura para fazer o ingresso solene. “Desejo pedir ao Senhor para todos nós,” disse o Custódio, respondendo à saudação do Pároco de igreja Santa Catarina, Fr. Rami Asakrieh, “o dom de saber interpretar os dons que o Senhor coloca em nosso caminho e o dom de saber escutar as profecias para poder ouvir Jesus.Peçamos por toda a humanidade, mas sobretudo pela Terra Santa, que a luz do Menino de Belém ilumine os corações e as mentes”. Após o ingresso solene, como é tradicional, foram rezadas as Vésperas solenes pontificais, incensando a Gruta da Natividade e o Ofício das Leituras, mais uma vez incensando a Gruta e encerrando-se assim o primeiro dia da celebração.

O dia seguinte foi aberto com celebração eucarística presidida pelo Custódio da Terra Santa, Fr. Francesco Patton, na presença dos Cônsules das diferentes nações europeias. “As leituras e o Evangelho fazem-nos compreender como toda a humanidade, desde sempre, está à procura do Menino que nasceu em Belém”, disse Fr.Patton,ao comentar o Evangelho. “Toda a História nos mostra como o coração de cada pessoa deseja encontrar aquele bebê. O Evangelho recorda-nos que nem todos desejam procurá-lo do mesmo modo e pelo mesmo motivo; nós queremos seguir o caminho dos Magos e fazer com que nosso coração e sentimentos que os acompanharam; pessoas sábias que sabem perscrutar o céu e reconhecer os sinais que Deus manda à humanidade. E, assim, a estrela e a palavra de Deus nos guiam até Belém”.

Enquanto os Ortodoxos, que seguem o calendário juliano, iniciavam seu tempo de Natal com os respectivos ingressos solenes na Basílica da Natividade, a poucos metros de distância, a festa da Epifania dos cristãos do rito latino continuou com as segundas Vésperas solenes na igreja Santa Catarina. O momento culminante foi o tradicional giro ao redor do Claustro de S. Jerônimo, diante da Basílica, com o dom do incenso e mirra aos fiéis locais e peregrinos, reunidos para a celebração.

"Hoje, Belém é a capital do mundo", afirmou o Custódio na homilia matutina", deste lugar espalha-se uma luz que pode iluminar o mundo inteiro. Que ela ilumine o coração de todos: de tantos sábios que, ainda hoje, estão à Sua procura, o coração dos varões e das mulheres que ainda não o conhecem, para que saibam acolhê-lo em sua vida. Ilumine o coração dos poderosos para que levem avante projetos de paz e não de guerra. Ilumine e transforme o coração dos Herodes de hoje".

Giovanni Malaspina