Covid-19: oração interreligiosa em Jerusalém

Uma oração interreligiosa pelo fim da pandemia da Covid-19, iniciativa organizada pela Municipalidade de Jerusalém para a quinta-feira, dia 26 de março, reuniu, às 12h30min, os chefes das três religiões abrâmicas, com outros representantes religiosos. Depois das boas-vindas expressas pelo Prefeito de Jerusalém, os chefes das diversas comunidades pediram para rezar em alta voz, um após outro. Em nome dos cristãos, o Patriarca Grego Ortodoxo, Teófilo III, fez uso da palavra. Houve, então, um momento de oração silenciosa, no qual cada um rezou segundo sua tradição. 

“Eu, pessoalmente, rezei o Pai Nosso, a oração que Jesus nos ensinou, a qual contém a indicação: Livrai-nos do mal! Creio que essa seja a mais eficaz, neste momento!” Isso disse o Custódio da Terra Santa, Fr. Francesco Patton, que participou do encontro. Marcaram presença, além do Mons. Frei Pierbattista Pizzaballa, Administrador Apostólico do Patriarcado Latino de Jerusalém; o Patriarca Grego Ortodoxo e o Patriarca Armênio, Nourhan Manougian; o rabino chefe sefardita de Jerusalém, Shlomo Moshe Amar; o rabino chefe ashkenazita de Jerusalém, Aryeh Stern; o Druso Sheikh Muafek Tarif e os de religião muçulmana, Sheikh Muhammad Kevan e Sheikh Attel Atrash.

“Desde que estou em Jerusalém, esta é a primeira vez que nos é pedido que nos encontrássemos e, no respeito da própria fé, rezar a Deus para que cesse a pandemia – explicou o Custódio Fr. Francesco Patton -. Nós o desejávamos pois, já em um de nossos comunicados como Chefes das Igrejas, temos a responsabilidade pelo Santo Sepulcro, quando havíamos pedido que todos os filhos de Abraão e os crentes das outras religiões nos reuníssemos a fim de rezar e invocar o fim da pandemia. A doença mesma nos leva com os pés por terra à nossa condição de criatura. Também se alguém tenha cultivado o delírio da onipotência, em chave cientista ou pelas capacidades humanas, infelizmente esse tipo de experiência nos leva à nudez de Adão, à experiência direta e imediata da fragilidade”. 

“Jerusalém é Santa para todos, e nós viemos aqui por causa de um problema comum – declarou o Prefeito de Jerusalém, Moshe Lion -. Não importa se somos cristãos, hebreus ou muçulmanos. Rezamos a Deus para que nos ajude, e não há diferença entre as pessoas. Espero que aquilo que temos feito hoje ajude a fazer desaparecer o Corona vírus em todo o mundo!”

Beatrice Guarrera

Pictures ©Nadim Asfour