Biblioteca da Custódia: nova mostra digital

A partir de19 de maio de 2020, estará online no site da Biblioteca da Custódia, nova mostra digitalsob o título "The Printer’sSmall Library. Books, Reference Works and Handbooks on the Shelf of the Franciscan Printing Press in Jerusalem" ("A pequenaBiblioteca do tipógrafo. Livros, prontuários e manuais nas estantes da tipografia franciscana deJerusalém").

Organizada porPierfilippoSaviotti, a mostra entra nas iniciativas do projeto "Livros, Pontes de Paz" do C.R.E.L.E.B. (Centro de Pesquisa Europeu Livro Editoria Biblioteca) e a Universidade Católica do Sagrado Coração de Milão (Itália), em colaboração com a ONG Pro Terra Sancta ea Biblioteca Geral da Custódia da Terra Santa.A exibição está centrada na coleção de manuais e prontuários que serviam ao trabalho daFranciscanPrinting Press deJerusalém, nascida em1847 por obra dos Frades Menores Franciscanos da Custódia.Conforme nota do Organizador, o objetivo da mostra digitaléapresentaralguns textos que eram parte da Biblioteca da oficina tipográfica franciscana, agora conservados no fundo “FranciscanPrinting Press” da Biblioteca Geral da Custódia da Terra Santa, em Jerusalém. Na maioria, manuais e amostras, os livros em exposição eram, em seu tempo, indispensáveis aos frades-tipógrafos, que cada dia tinham que se confrontar com problemas relativos à parte técnica, gráfica ou produtiva, assim como ao achado dos caracteres ou à manutenção das máquinas.

O percurso expositivo prevê uma distinção de sete secções, divididas à base da fonte tomada em consideração:após introdução histórica com um texto de Steinberg, que delineia os assuntos da difusão da imprensa, encontram-se textos técnicos, em sua maioria, tais como manuais tipográficos,textos que se referem àdescrição e a utilização da máquina impressora, mas também a amostras, à gráfica e encadernação.

A tipografia franciscana nasceu no dia 14 de julho de 1864, graças a Fr. SebastiãoFrötschnere Fr. BarnabéRufinatscha, enviados pelo Comissariado da Terra Santa de Viena, que deram início a essa atividade. No seu nascimento, durante o Império Otomano, os Franciscanos tinham necessidade de uma imprensa própria, a fim de difundir sem dificuldade livros, como gramáticas ou catecismos, para a população local, num ambiente não cristão.

Ao longo do tempo, a "tipografia dei PP. Francescani", que tinha sua sede no Convento S. Salvador, ao mudar de sede, seu nome foi mudado para"FranciscanPrinting Press", durante o mandato britânico; chegando finalmente à decisão de ser transferida a Betfagé, onde atualmente é administrada por cristãos locais, e outra parte foi transferida a Milão (Itália), com o nome de "Edizioni Terra Santa".

"É exatamente tal evolução” (se lê na introdução, feita porEdoardo Barbieri, Professor na Universidade Católica do Sagrado Coração de Milão e Diretor do C.R.E.L.E.B.) "que torna “histórica” a experiência da FFP, assim possibilitando uma releitura e uma chave de valorização de sua herança cultural".

Giovanni Malaspina