Belém: encontrada nova fonte batismal

Há poucos dias, o comitê palestino, encarregado na restauração da Basílica da Natividade, em Belém, anunciou a descoberta de uma “fonte batismal”. A descoberta aconteceu durante os trabalhos, em curso há mais de cinco anos, executados pela empresa italiana Piacenti S.p.a.

A Arqueóloga Elisa Frosi, da equipe Piacenti, descreveu os trabalhos e suas fases: "No projeto de restauração sempre iniciamos com um estudo histórico do elemento. Depois disso se procede por fases: a limpeza, a fim de compreender qual é a situação real e, depois, um exame de todos os componentes do elemento". A equipe não havia previsto topar com nova fonte batismal: estava prestes a restaurar a fonte octogonal, situado sob a nave direita da Basílica. Depois de ter tirado a tampa metálica central, foi encontrada grande estucagem de cimento e blocos muito grossos estucados com cimento, em tempos modernos. Ao remover esse primeiro estrato de estucagem de cimento, logo resultou evidente que debaixo se encontrasse outra coisa. "Vendo a pedra branca," – declarou Elisa Frosi -  "paramos com tudo e, procedendo passo a passo para compreender o que seria, e deparamos com essa nova fonte batismal".

Foram encontrados e extraídos muitos fragmentos de vidro e cerâmica a fim de mantê-los em segurança, assim também diferentes cardagens foram aplicadas a fim de consolidar temporareamente a estrutura. O aspecto mais importante do trabalho da equipe da empresa Piacenti é o grupo de peritos que colaboram em conjunto e a possibilidade  de integrar os diferentes conhecimentos: o staff da Basílica é composto por sete restauradores, mais dois rapazes palestinos de Belém, e toda a operação é acompanhada pela equipe composta por Arquitetos, Engenheiros e outros Restauradores, que supervisionam os trabalhos. A Empresa Piacenti, além disso, em casos como esse, volta-se também a outros especialistas. Consultará o Professor Michele Bacci, Ordinário da Universidade de Freiburg e perito histórico na área mediterrânea e das comunidades cristãs do Oriente Médio. "Estamos escavando de maneira estratisgráfica," – declarou a Arqueóloga Elisa Frosi - "escavamos e catalogamos o material que será estudado e analisado; a partir disso, estaremos em posse alguns dados para intercruzá-los com a pesquisa histórica e o parecer do perito histórico. Assi, esperamos conseguir ter uma datação aproximativa".

O Chefe do Comitê palestino, encarregado de restaurar a Basílica da Natividade, Ziad Al Bandak, comentou dizendo que a fonte “é a primeira descoberta importante, neste nível, da Basílica da Natividade. Houve outras descobertas, mas não tão magníficas e nessas excelentes condições”. Al Bandak declarou que os trabalhos continuarão e, logo mais, proceder-se-á a avaliação dos peritos a fim de conseguir datar com segurança a fonte descoberta, da qual não existem notícias exatas ao nível histórico nas fontes referentes à Basílica.

Giovanni Malaspina