800 anos, Card. Sandri: "A missão da Custódia é oferecer ao mundo inteiro o tesouro de Jesus"

O segundo dia das celebrações começou cedo, de manhã, numa igreja lotada e festiva. Na igreja de S. Salvador,em Jerusalém, até o dia 18 de outubro, continuaram os festejos dos 800 anos da presença franciscana na Terra Santa.
Para o importante evento também o Cardeal Leonarddo Sandrri, Prefeito para a Congregação das Igrejas Orientais, marcou presença. No dia 17 de outubro, celebrou a missa, durante a qual leu sua homilia e trouxe a mensagem autografada do Papa Francisco: « Encorajo-vos a perseverar alegres em sustentar esses nossos irmãos, sobretudo os mais pobres e mais fracos, na educação da juventude, na acolhida dos idosos e no tratamento dos enfermos, vivendo concretamente, no dia a dia, as obras da misericórdia ».A mensagem escrita pelo Papa Francisco foi lida pelo encarregado dos negócios para a Santa Sé, Mons. Marco Formica. (Lê o testo completo da mensagem do Papa Francisco à Custódia da Terra Santa).
O Cardeal Sandri, em sua homilia, falou da missão da Custódia da Terra Santa. « Vosso modo de ser Custódios dos Lugares Santos vos propõe a mesma dinâmica da primeira vocação de S. Francisco – disse o Cardeal -. A ele dirigiu o convite: ‘Vai e restaura minha Igreja!" ». Como o Pai Fundador da Ordem, também os Frades da Custódia compreenderam que não se tratava de um convite de apenas reconstruir materialmente, mas também espiritualmente. « Assim também vós, há 800 anos presentes na Terra Santa, tendes colocado ao lado do cuidado pelos santuários, o testemunho da vida evangélicaa, edificando o templo santo do Deus vivo », afirmou o Cardeal Sandri.
Após a missa, todos se deslocaram à Sala da Imaculada, na qual o Prefeito para a Congregação das Igrejas Orientais fez uma conferência com o título: “Pregai sempre o Evangelho, se for necessário também com palavras. A presença franciscana na Terra Santa e no Oriente Médio” (Lê o texto completo da conferência do Cardeal Sandri).
Logo depois do meio-dia, o Cardeal Sandri visitou os escritórios da ATS Associazione Pro Terra Sancta, a ONG que mantém os projetos sociais eculturais da Custódia.
A segunda jornada das celebrações foi rica de outras conferências. O Professor Filippo Sedda falou do primeiro Padre provincial da Terra Santa, Fr. Elias de Cortona, e à tarde, o Professor Giuseppe Ligato falou de Acre. no tempo da vinda dos primeiros Frades, em 1217.
Como encerramento do segundo dia, a Professora Emmanuelle Main explicou seu precioso trabalho de catalogação e reconhecimento dos documentos fotográficos sobre Síria (Lê o artigo sobre o projeto “Em Jerusalém retoma vida o antigo e ameaçado patrimônio sírio”).
Em entrevista, pedimos ao Cardeal Leonardo Sandri de comentar os 800 amos de presença franciscana na Terra Santa. Eis o que nos disse:

Como Prefeito para a Congregação das Igrejas Orientais, qual é, segundo sua opinião, a importância da Custódia no Oriente Médio, após 800 anos de presença?
Estamos na Terra de Jesus. Aqui Jesus nasceu, morreu e ressuscitou. Eis a missão da Igreja: anunciar Cristo. Em todos os séculos da História existiu essa fome e sede de Jesus. de vê-lo, tocá-lo, de seguir seus passos. Por isso a misssão da Custódia da Terra Santa é fazer com que estes lugares, que viram a passagem de Jesus, continuem a estar vivos, que sejam pedras vivas,que falem e que a comunidade dos discípulos de Cristo seja viva e operosa na Terra Santa. Eis a missão da Custódia: oferecer ao mundo inteiro, por mandato papal, esse tesouro de Jesus, aqui na Terra Santa. E todos os peregrinos que vêm, que choram, que escutam o Evangelho, sejam acompanhados pelos nossos confrades da Custódia. É missão incomparável na vida da Igreja, reconfirmada pelo Papa Francisco em sua carta de hoje, como foi feito durante 800 anos por vossos predecessores. Por isso, hoje nos alegramos e participamos com grande alegria deste oitavo centenário da presença dos Frades da Custódia da Terra Santa.

Que palavras de encorajamento o senhor deseja dizer à Custódia, nos desafios que deverá afrontar no futuro?
As palavras que tenho, são acima de tudo, de agradecimento a todos os Frades que passaram pela Custódia e testemunharam Cristo com a própria vida e seu próprio sangue. Uma palavra de encorajamento para o futuro para que continuem nessa missão, como discípulos de Cristo, vivendo em Fraternidade, para que, com sua vida simples, pobre e franciscana, sejam testemunhas do Evangelho. É o novo grito do Evangelho que deve ressoar através da vida de nossos confrades da Custódia da Terra Santa.

Beatrice Guarrera